"Sério? Bah, traidor!"

http://globoesporte.globo.com/ESP/Noticia/Futebol/0,,MUL273545-4274,00.html

Sempre que saem notícias desse naipe na mídia (início de temporada + Paulo Pelaipe = zilhões de notícias assim) encontro dois tipos de reação na torcida: o grupo radical, maioria absoluta, que mostra que estará disposto a tratar o jogador com hostilidade e desde já o trata dessa maneira; e outro grupo, mais ponderado, que diz que ele só está sendo profissional, e que isso aconteceria com qualquer um que tivesse a chance de receber uma bolada de dinheiro para jogar em outro clube.

Faço parte do primeiro grupo, e vou desenvolver o assunto:

- Sabemos que é assim que funciona, que pagando, eles vem e vão. Os jogadores de futebol de hoje são uma raça bem desprezível, fabricados e infectados pelo vírus do boleirismo e do bom-mocismo canalha, e com a personalidade de um poste. Eu não espero muita coisa deles fora de campo, mas eu adoraria ver, ao menos às vezes, algum jogador falando o que pensa e não o que o empresário mandou;

- Meu papel dentro desse universo paralelo chamado Futebol é o mais prosaico e simplório: sou um torcedor, e como torcedor eu considero um desaforo que um jogador que tenha recebido tanta coisa boa de uma torcida, que é querido por ela, simplesmente vire as costas e vá jogar no meu rival de morte do bairro ao lado;

- Pior ainda: que demonstre publicamente uma vontade de se tornar jogador do rival, com direito à declarações que, mesmo dotadas do mais puro cliché, se tornam perturbadoras ("O Grêmio é um grande clube. É mais uma opção para eu alcançar meus objetivos.");

- Mas e se eu fosse jogador e recebesse uma proposta similar? Bom, impossível saber responder, já que eu nunca ganhei 1 centavo pra jogar bola (inclusive devo ter gasto uma fortuna pagando para jogar. Multipliquem 2 pilas vezes 10 anos de aluguéis de quadras de futsal ou futebol 7 com os amigos). Sei que, caso Fábio Rochemback for pro Grêmio, eu serei um dos milhões que vai passar a enxergá-lo como um traidor (traidor nível médio, claro... nada que me faça jogar uma pedra na vidraça do carro dele);

- E sim, eu estou totalmente consciente da irracionalidade enorme da minha postura!

- De qualquer maneira, porco dio, eu sou um torcedor (do Inter, como vocês puderam perceber), e essa condição é a desculpa perfeita para agir como um viking pilhador em estado berserker contra outra pessoa ou coletivo. E nomá, o futebol é uma das poucas coisas em que não se encontra muito espaço para o ceticismo e a racionalidade, e é exatamente esse detalhe (que poderia ser visto como um defeito, pelos chatos) que faz com que milhões de pessoas ocupem seu tempo sofrendo, lendo, escrevendo, pensando, assistindo (e mais um sem-número de atividades) um troço que, na realidade, nenhum deles têm controle algum.

2 comentários:

CÉLIO AQUINO disse...

TEM MAIS NOVIDADE NO BLOG DO TORCEDOR A UMA NOVA SESSÃO (ASTROS DO FUTEBOL), COM JOGADAS GENIAIS GOLS FANTÁSTICOS E MUITO FUTEBOL ARTE, PASSA LÁ E D UMA OLHADA E DEPOIS COMENTE

M. Alejándro disse...

Fábio Rochembach é um desses que engrossa a lista dos caras que jogavam MUITO mas que a noite sugou para os confins abissais...

Postar um comentário

top