Ô povo

Brasil 0 x 0 Argentina. E eu não teria um texto que coubesse tudo o que sinto e percebo com o que circula em relação à Seleção Brasileira. Poderia ser um texto cheio de palavras bagaceiras. Não pelo resultado, nem pelo futebol apresentado. E sim pelo comportamento do brasileiro médio que acompanha futebol.

Eu admito, fico irritado. Assisti a partida, os comentários de antes, os durante e as entrevistas após, ao vivo.

O Brasil é singular. Como já disse Parreira, não é a reação do público, porque o público, no Brasil (talvez em outros lugares também seja assim) é a caixa de ressonância da imprensa. Uma imprensa de baixo nível, ao menos neste caso, e nos veículos que acompanhei. Também acompanhei a entrevista coletiva do Dunga após a partida. Direcionada pelos repórteres (para o ponto desejado) e com todos os clichês de sempre. Os jogadores, com alguma ou outra exceção, bonecos de títeres. Acanhados. Respondendo, ou o óbvio ou caindo em pequenas intrigas em virtude das perguntas (como no caso de Adriano). Cagados.

De sincero, Gilberto, que criticou abertamente a torcida por ter aplaudido Messi. Os críticos desta declaração, dizem que bom futebol se aplaude. Mentira. Futebol do adversário só é aplaudido pela torcida adversária. É bonito, admirável, no discurso, apenas lá, na teoria. Na realidade, o aplauso desta noite era para afrontar a Seleção Brasileira. Não entro no mérito, mas gostei da atitude do Gilberto, de falar, reclamar e apontar a nossa torcida canalha. Tu podes dizer “ah, mas a torcida paga seu ingresso...”....Que não vá! Que fique em casa. Que não pague. Mas este é apenas um parágrafo, de um pequeno capítulo, do enorme livro de vergonha que é a torcida brasileira.

Voltando para a imprensa (sei que é horrível generalizar, e a generalização é traço de ignorância, mas em termos de cobertura da Seleção Brasileira, a generalização não fica tão longe do específico), ela tem problema de longa data com o Dunga. Vem de 1994. O Brasil, com o Dunga como capitão e símbolo, ganhou uma Copa do Mundo num 0 x 0. Nos pênaltis. Isto após Dunga ter sido morto e enterrado como jogador em 1990, pela mesma imprensa. Foi o maior tapa na cara que a imprensa esportiva brasileira tomou, como jamais na história deste país, fazendo uma apologia (analogia) com uma frase do Lula. E isto não foi perdoado e nunca será. Crime gravíssimo. Hediondo.

- Mas Dunga como técnico não é o mesmo Dunga jogador!
Mas tudo é pessoal. Dunga não tem experiência, ok. Dunga é mau técnico, pode ser. Dunga nunca treinou ninguém, ok. Mas Dunga é Dunga. E paga por isto, também, mesmo que seja o melhor técnico.

E basta olhar a TV, ler alguns jornais. O tom é raivoso, claro, a comemoração do Dunga em 1994 foi raivosa. As pessoas mais jovens não sabem, mas até 1994, o Brasil ser campeão do mundo era utopia, para as pessoas da minha geração, que começaram a acompanhar copas entre 82 e 86, mesmo sem entender muito...era utopia. A eliminação dramática era o “normal”, como em 2006.
E Dunga acabou com isto. Pior, Dunga, junto com Parreira, meio que acabou com o mito do “perde bonito” de 1982. Bom, eu e uma galera festejamos, entre eles alguns que odeiam futebol de resultado.

Talvez Dunga precise, de novo, erguer uma taça de verdade, raivosamente. Com um fato deste tipo, o povo acalma e com o povo acalmado, alguns cronistas não tem coragem de escrever contra.

No jogo de domingo, contra o Paraguay, vi uma enorme faixa da torcida deles, que falava sobre o orgulho de ser paraguayo. E assim se comportam os torcedores na América do Sul. Menos no Brasil. A última coisa que existe é orgulho de ser qualquer coisa. Ou odeia-se a Seleção Brasileira por ser mercantil, algo assim, ou também odeia-se a seleção por não estar goleando qualquer adversário por 5 x 0. Acham lindo aplaudir jogador adversário, por ser um exemplo de desportividade, e por outro lado, ironicamente, não têm o menor respeito com qualquer adversário, pois só aceitam goleadas como resultado, mesmo num clássico.

Incrivelmente, o comportamento, dos mesmíssimos torcedores, quando o seu clube joga, é diametralmente oposto. 1 x 0 é festa. Ou alguém aqui questionaria um título mundial do seu clube por ser nos pênaltis? Mas com a “seleça”, não. Tem que ser goleada. Que seja assim, mas não mintam.
Todos torcem mil vezes mais por seus clubes do que pela seleção. E depois admiram esta e aquela torcida de tal país. Pura hipocrisia. Da má torcida, nós fazemos parte.

Ao Brasil, pode faltar alma, mas porque o torcedor brasileiro também não tem. Se dividem entre os que exigem goleada sempre, e entre aqueles que acham que não se deve torcer pela Seleção porque os jogadores só querem isto e aquilo, são mercenários, etc. Bom, se vamos deixar de torcer para um ou outro time por causa do tipo de jogador que veste a camisa, então todos os torcedores já tinham deixado de torcer para sua equipe por vários anos.

Resumindo: o torcedor brasileiro é um bunda-mole. Sem fibra, de uma ou outra maneira. Entreguista, hipócrita e mau-caráter (em termos esportivos). Não vele nada.
E este torcedor é que vaia o Dunga. Mas que não fosse o Dunga. Que fosse qualquer um dos jogadores “mercenários”. Não têm o direito de vaiar os que imprimem um comportamento igualzinho aos deles. Primeiro torçam pelo Brasil, de verdade, depois começarão a ter o direito de criticar.

Não é assim nos clubes?

Por isto ainda gosto de assistir os jogos da seleção em casa, longe de bares e aglomerações, onde vejo pessoas mais velhas, que pouco acompanham escalações, torcendo pelo Brasil, pela simples razão de serem brasileiros, com todas as diferenças que temos dentro do país. Onde se torce pelo gol do Brasil, independente da boleiragem que toma conta da seleção, pois eles nem sabem o que é boleiragem ou selenike. Mas torcem pelo Brasil, simplesmente.

E pro Dunga, eu faço coro que largue. Larga, Dunga. Não há vitória que faça saciar este povo. Porque simplesmente, eles não torcem pelo Brasil. Mas, estranhamente, admiram os povos que torcem fanaticamente pelas suas cores....tipo, faz o que eu admiro, mas nunca faça o que eu faço.

Em noites como a de hoje, lendo e vendo tanta coisa, lembro do gaúcho Chico de Uruguaiana, do expresso da vitória do Vasco, e que foi expulso em 9 dos 10 jogos que disputou contra a Argentina. Que foi agredido covardemente por lá, mas enfrentou. Ele tinha esta rivalidade, por ser da fronteira, por ser gaúcho. Na época dele não tinha Rede Globo, qual será o motivo da rivalidade, então? Nossas semelhanças culturais nunca foram motivos para aplaudir adversário. Chico já sabia disto, e cultivava a guerra futebolística dentro de campo.


Eu não odeio a seleção, ela é reflexo do povo. Eu torço é para que ela mude, mas enquanto isto não acontece, eu vejo na unanimidade o meu inimigo. Por isto, eu odeio é a torcida do Brasil. E como sou do contra, sou cada vez mais torcedor da Seleção Brasileira (não dos jogadores, mas da seleção). Não por goleadas. Vitórias magras já me bastam, igualzinho quando torço pelo meu clube, mas vitórias. E 0 x 0 em clássico, a gente (torcedor de clube) faz assim, lamenta os gols perdidos e pensa : “pelo menos eles não nos ganharam”.

Admito que seja difícil torcer por este Brasil sendo gaúcho, mas é mais difícil ser gaúcho vendo uma torcida de mortos assistindo a Seleção e abandonando sempre. SEMPRE.
Viva Chico!

3 comentários:

FutbolLatino disse...

Ola amigo. PArabens pelo Blog, gostei muito dos textos, sempre muito bem escritos. CAso tenha interesse, de uma visitada no meu blog.
www.futebolatino.blogspot.com

Se tiver interesse, podemos trocar links.

Abraço
Gustavo

Maurício K. disse...

1 - Baita texto, adorei.
2 - Seleção brasileira? Lembra em 2003 quando o Inter disputava pra chegar na Libertadores e a CBF tirou o Daniel Carvalho e o Nilmar pra jogar na sub sei-la-o-quê?

Isso pra não citar 2005.

Eu ODEIO A SELEÇÃO BRASILEIRA pq é, SIM, o time da CBF E DAQUELE CORJA DE CANALHAS.
Eu ODEIO A SELEÇÃO BRASILEIRA pois a mesma deu TODAS AS REGALIAS E CHANCES PRO Ronaldo Traveco e humilhou o Romário e relegou o Romário e desprezou o Romário.
Eu odeio a SELEÇÃO BRASILEIRA pois, mesmo depois de BANIR o Luxemburgo por INCOMPETÊNCIA, FALTA DE CARÁTER, FALTA DE TUDO, ainda o cogita.

ABRAÇO GEORGE.
BAITA TEXTO, MESMO

ps: eu gostei mesmo.

Túlio disse...

Eu não odeio a Seleção Brasileira e nunca vou odiá-la. No máximo posso chegar a odiar os jogadores que estão vestindo a camiseta amarela, mas sempre terei orgulho da seleção que esteve em todas as copas e é a máxima campeã do futebol mundial. A torcida brasileira, assim como a imprensa, é um reflexo do seu povo com todas as suas contradições. Aqui na Argentina parece acontecer exatamente o contrário, e não digo que isso seja bom. A imprensa sempre aplaude num ufanismo cego, no jogo contra o Brasil, por exemplo, o empate pareceu o resultado mais injusto do mundo porque afinal a Argentina dominou e deu um show de bola. Será?
(Aproveito pra dizer que linkei o Puro Futebol no meu blog). Abraço!

Postar um comentário

top